Missão da OEA descarta irregularidades nas urnas eletrônicas


Especialistas da Organização dos Estados Americanos, que monitoraram a eleição no Brasil, ressaltam confiabilidade do sistema eleitoral e apontam notícias falsas como principal desafio no segundo turno.A missão de observação eleitoral da Organização dos Estados Americanos (OEA) descartou nesta segunda-feira (08/10) indícios de irregularidades nas urnas eletrônicas e afirmou que o sistema eleitoral no país é confiável. O grupo visitou mais de 390 seções eleitorais e acompanhou o processo em 12 estados e no Distrito Federal.


"Não encontramos nas mesas que observamos, e foi uma amostra ampla, e, nas reuniões que tivemos com atores-chave, nenhum dado verificável que possa supor erros numa escala que possa ter alterado o resultado eleitoral", avaliou a chefe da missão, Laura Chinchilla, ex-presidente da Costa Rica.



Entre os problemas apontados pelo grupo num relatório preliminar estavam filas em 55% das seções e atrasos causados pelo sistema de biometria. Chinchilla afirmou que tomou conhecimento de denúncias sobre irregularidades, mas os eventuais problemas não interfeririam na legitimidade da votação.

A confiabilidade das urnas eletrônicas foi questionada pelo candidato Jair Bolsonaro (PSL), que obteve 46% dos votos e vai disputar o segundo turno com Fernando Haddad (PT), e por seus apoiadores.

Segundo o diretor de Cooperação e Observação Eleitoral da OEA, Gerardo de Icaza, especialistas em análise de sistemas de informática de votações, que acompanham o tema das urnas eletrônicas desde o início do ano, não registraram nenhum problema.

Os observadores expressaram ainda preocupação com a divulgação de notícias falsas. Chinchilla afirmou que essa propagação é um dos maiores desafios nas eleições e destacou que as fake news são uma tentativa de "desacreditar instituições e questionar resultados".

"É por Whatsapp por onde está saindo a maior quantidade de informações, e é aí também onde estão chegando os temas de fake news", acrescentou a chefe da missão.

O grupo pediu ainda aos candidatos do segundo turno moderação e responsabilidade para reduzir a polarização. "Visando o segundo turno presidencial, a missão faz um chamado aos adversários para que centrem suas campanhas em fazer propostas à sociedade ao invés de desqualificar ou estigmatizar opositores", aponta o relatório.

Essa foi a primeira vez que uma missão da OEA acompanhou as eleições no Brasil. O grupo é composto por 41 observadores que permanecerão no país até o segundo turno, que será realizado em 28 de outubro.


#relatopb

RelatoPB

Aqui se fala

© 2016 por "RelatoPB". Orgulhosamente criado por relatopb