Reitor da UEPB: vivemos um processo de “garroteamento” pelo Estado


O reitor da Universidade Estadual da Paraíba, Rangel Junior, comentou sobre a retomada das atividades da UEPB, após uma greve que durou três meses.

Rangel frisou que é importante essa retomada à normalidade, pois o sentido da universidade é a construção do processo de educação e civilizatório.


Em entrevista nesta quinta-feira, 27, Rangel afirmou que o Brasil vive uma situação delicada, com crises políticas e econômicas, e que a UEPB também tem sentido a crise, principalmente pelo “garroteamento” imposto pelo Estado.

– A conquista da autonomia financeira em 2004 foi resultado de uma grande crise que a UEPB vivia e que teve como solução a conquista da autonomia. Desses momentos surgem grandes ideias, e uma delas acredito que é o marco regulatório para autonomia financeira. Nós vivemos um processo de ‘garroteamento’ há muito tempo. Nós haveremos de encontrar uma solução, pois a UEPB passou a sofrer com a crise, não somente pela influência da política nacional, mas pela decisão estadual que colocou a UEPB num estado permanente de restrição – comentou.

Rangel ainda disse que “muita gente não compreende que a UEPB tem vida própria e que caminha com as próprias pernas, sem viver na dependência de um ser messiânico e salvador que diga para onde ela deve ir”.

Por fim, ele disse que para encontrar as soluções para a UEPB, a universidade precisa estar em funcionamento.


*As declarações repercutiram na Rádio Correio FM.


foto: internet

fonte:paraibaonline.com.br

#relatopb

RelatoPB

Aqui se fala

© 2016 por "RelatoPB". Orgulhosamente criado por relatopb