Governador Ricardo Coutinho nomeia os professores Rangel Junior e Flávio Romero como reitor e vice d


Em audiência realizada na manhã desta segunda-feira (12), no Palácio da Redenção, o governador da Paraíba, Ricardo Coutinho, confirmou a nomeação dos professores Rangel Junior e Flávio Romero como reitor e vice-reitor, respectivamente, da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) para o quadriênio 2017/2020. A oficialização da designação dos cargos deverá acontecer nesta terça-feira (13), com a publicação do Ato Governamental no Diário Oficial do Estado (DOE).

Rangel Junior e Flávio Romero venceram a consulta prévia realizada em 17 de maio. A chapa “Todos pela UEPB”, representada pelos referidos docentes, recebeu 2.447 votos, sendo 1.535 votos de alunos, 426 de técnicos administrativos e 486 de professores, o que representou 60,69% dos votos entre todas as categorias. Percentualmente eles receberam 77,39% dos votos de docentes; 75,67% dos votos de técnicos administrativos; e 40,93% dos votos dos estudantes.

O governador Ricardo Coutinho desejou sorte e trabalho aos professores Rangel Junior e Flávio Romero, destacando a importância que a UEPB tem como um dos principais aparelhos do Estado a serviço da população paraibana. “Hoje assinei a nomeação dos dois como reitor e vice-reitor para o mandato de quatro anos proveniente do último processo eleitoral interno na UEPB. Amanhã já sai a nomeação e começa o novo mandato. Confiei ao professor Rangel Junior e ao professor Flávio Romero a condução da UEPB para os próximos quatro anos e espero que mesmo nesse cenário de dificuldades a nossa Universidade Estadual possa avançar cada vez mais. Desejo que este reitorado possa estar cada vez mais a altura das tradições da nossa Universidade”, disse Ricardo Coutinho.

Após a audiência com o governador, o reitor Rangel Junior falou sobre os desafios do novo mandato, elencando o aprofundamento da relação de comprometimento da Universidade com a sociedade, bem como a reestruturação do modelo administrativo da Instituição, como as vertentes fundamentais do mandato que se inicia nesta terça-feira. “Na condição de gestor comecei com muita dificuldade e agora que termina uma gestão para começar outra, eu diria que estamos no epicentro de uma crise política e econômica que deve piorar no país. Os desafios que se colocam à frente são muito grandes no que se coloca nesse sentido, mas estamos mais preparados para isso e a Instituição mais amadurecida”, disse.

Para Rangel, “a crise exige que se busque resposta dentro dela, não dá para repetir gestos, como se tudo estivesse normal. Estamos entrando para um novo mandato e, portanto, os desafios que são apresentados também são novos pela natureza da conjuntura e não podemos dar as mesmas velhas respostas. Novos desafios exigem também novas respostas, medidas diferenciadas, exigem que nós tenhamos um esforço redobrado do ponto de vista da inteligência institucional, para de forma criativa encontrar as soluções para os problemas que vão se apresentar. Uma linha é a reestruturação administrativa que modernize a Instituição, melhore a relação interna de trabalho, o fluxo de processos, a despesa, que otimize a questão das vagas ofertadas. Ou seja, de alguma maneira a Universidade precisa se ajustar à crise, mais ainda do que está agora”.

Conforme o reitor, “não dá para achar que está tudo bem e continuar fazendo tudo do mesmo jeito e isso é uma questão que para nós está muito clara. Precisamos melhorar o funcionamento das coisas, reduzir estruturas talvez. Vinha trabalhando com isso o ano inteiro, trabalhamos isso durante a campanha e vamos em janeiro apresentar a proposta para debate no Conselho Universitário, que envolve alterações estatutárias, ajustes no modelo de funcionamento do organograma funcional”.

Com relação ao comprometimento da Universidade com a sociedade, Rangel destacou que é fundamental “a Instituição focar e agir cada vez mais na qualidade da formação dos jovens que vêm para a Universidade, buscar condições para a extensão universitária ser reflexo daquilo que construímos também na pesquisa e no ensino, que ela possa servir de ponte de fato entre a Universidade e a sociedade com serviços de qualidade, com uma socialização do saber, através de ações diretas, com serviços prestados em Saúde e também através da Cultura, onde a gente tem um forte trabalho. Na pesquisa, queremos melhorar qualificando nosso quadro de pesquisadores, para um retorno maior à sociedade, com impacto social das nossas pesquisas e elas sendo melhores qualificadas e referendadas socialmente”.

Rangel também falou sobre melhorar o acesso à informação na Instituição. “A gente já aprendeu muito, mas vamos ampliar nossa ação na comunicação pública, com a publicização de atos da Universidade na tentativa de criar uma radicalidade no sentido da transparência pública. Vamos melhorar a comunicação com a sociedade e criar instrumentos de controle social sobre aquilo que é feito na Universidade. De alguma maneira pretendemos deixar essa herança institucional, uma cultura administrativa mais sintonizada com o tempo. Uma cultura política de relacionamento democrático, de um aprendizado democrático de todos os setores da Universidade. Ao tentar construir uma nova cultura nesse sentido, estaremos deixando um legado de uma cultura institucional que venha a rever e modificar hábitos”, concluiu o reitor.


por UEPB

Texto: Givaldo Cavalcanti e Tatiana Brandão

#relatopb

RelatoPB

Aqui se fala

© 2016 por "RelatoPB". Orgulhosamente criado por relatopb